Posts tagged ‘Natal’

24/12/2011

O NATAL É BOM

por cam

O natal é bom para alimentar egocentrismos, esquecimentos de amigos, dar golpes baixos e ser de antemão desculpado, perdão, perdoado, que é mais consentâneo com o espírito da época. Num só dia se desfaz o trabalho de um ano, talvez o de uma vida.

Digam às crianças que o pai natal não existe – ou que existe mas não tem certificado de garantia para toda a vida.

É bom, o natal, não é?

Anúncios
Etiquetas:
23/12/2011

QUE O NATAL VOS SEJA DOCE…

por cam

Leio O Branco das Sombras Chinesas, de João Paulo Cotrim e do António Cabrita, das novíssimas edições Abysmo (Setembro de 2011). Foi o livro inicialmente um “folhetim a meelas (…) servido em outro diário, este nosso Diário de Notícias, à razão de duas doses semanais, durante o Verão quente de 2001 (de 2 de Julho a 28 de Agosto), faz agora uma década de misérias (…)”. Agora, esta edição, toda impressa em azul forte, tem 78 páginas – incluindo as 16 das ilustrações de João Fazenda – as folhas em dobra simples e cozidas como se fosse um único “caderno” e sem aparas no sobrante da dobra.

Cotrim e Cabrita agarram pelas ventas o boi da língua, e talvez o inverso, e fazem com a literatura umas belas tripas à moda… deles. Mas também não deixa de ser verdade, porque os leitores precisam de “bengalas”, que tem sim senhor uma estória: o protagonista – de início não tem nome, mas páginas andadas será nomeado por João David – que “detestava coincidências, simetrias, concordâncias”, desagrada-lhe ter de ir visitar o pai da sua “cara-metade”, a bela Mariana, coisa que agora ainda lhe custa mais depois que “Verónica, um belíssimo transexual, assentara arraiais no quarto 33 da pensão” (pensão que viremos a saber chamar-se Bizâncio, pertence a David e tem como empregado o impávido Negruras, angolano). Ficamos também a saber que o nosso herói a páginas tantas da sua história pessoal perdeu a consciência, coisa que não seria rara nele, já que a sacrifica com o “método de uísques sobre uísques”, e que então teria acordado no Hospital de Cascais “com um enorme remendo no lado esquerdo da cabeça”: uma orelha que se foi, não sabe, ou não se lembra, ele como. Ainda neste vertiginoso Capítulo 1, David entra no Pavilhão Chinês e atira uma pergunta espantada: “ – O senhor explica-me como é que tem ali a minha orelha?” Depois, Cotrim e Cabrita cavalgam capítulo sobre capítulo a estalo de língua: sucedem-se “episódios” rocambolescos onde não faltam citações literárias, filosóficas e existenciais, sempre a jogar em simultâneo nos cortes de uma espada de afiado duplo fio. E safam-se. Vamos com eles nos jogos de linguagem, no permanente non sense, na transgressão linguística, no arrepio de lógicas e de valores. Vale tudo: sacar orelhas, traficar em arte, corromper vereadores de câmara, matar papagaios, entrar em jogos cabalísticos, ouvir lengalengas de cegos, mortes provocadas por foices e martelos, Estaline e Lenine. Não digo mais – apenas que o nosso David sempre terá de se haver com “coincidências, simetrias, concordâncias”…

Que o Natal vos seja doce, caríssimos irmãos.

18/12/2011

DUENDES NO NATAL…

por cam

O meu amigo Delphim Miranda, um dos maiores marionetistas portugueses, tem para venda umas marionetas, «Duendes», bem giras. É Natal… Ele diz assim:

«DUENDES DE DELPHIM MIRANDA – EIS A OFERTA ÚNICA E ORIGINAL QUE PODE FAZER ESTE NATAL.

Estes duendes foram criados e realizados por DELPHIM MIRANDA. Cada um deles é uma peça única, feita à mão. Veja em grande formato aqui.

Encomende já, mencionando o boneco pretendido. Entregas em mão na Grande Lisboa. Via CTT para o resto do país e estrangeiro.

Contacto: arteemfuga@gmail.com»

 

16/12/2011

NATAL…

por cam

« Assinaste o teu nome

em papel sufocante

impressão bem à vista

xis escudos por página

um livro repleto

de palavras amestradas

p’ra oferecer no natal

ou isso ou umas peúgas.»

[ poema publicado inicialmente em «Ventilador», Elefante, 2000, e depois em «Registo civil. Poesia reunida», Assírio & Alvim, 2010 ]

«Ainda bem que o natal acabou

logo que soaram as doze

descolei os lábios da mesa

vomitei as doçarias todas

para cimas das notícias

que anunciavam a morte

algures onde o natal

é regado com sangue

e as rolhas das garrafas

são tiros cegos e certeiros

matam velhos e crianças

em natal ou em belém

para o ano haverá mais

se a dor aguentar até lá

nós aqui e eles no inferno

uma data é uma data

e é preciso comemorá-la

com sangue e com lágrimas

um dia os meus lábios

ficarão para sempre

agarrados à toalha de linho.»

[ poema publicado inicialmente em «A realidade inclinada», Averno, 2003, e depois em «Registo civil. Poesia reunida», Assírio & Alvim, 2010 ]

%d bloggers like this: