Hipopótamos em Delagoa Bay – entrevista a Novos Livros

por cam
carlosamachado com hipos1- O que representa, no contexto da sua obra o livro «Hipopótamos em Delagoa Bay»?
R- «Hipopótamos em Delagoa Bay» é antes de mais um exercício de plena liberdade. Mando às urtigas ideias feitas (por mim e pelos outros) sobre revoluções e independências, géneros literários e as eternas confusões sobre a “presença” do autobiográfico na ficção e a factualidade da História; passo criticamente em revista amores, vontades, anseios, perspectivas e desejos. Exponho-me: digo-me e contradigo-me. Por isso, aquém e além de classificações e categorizações, este é um livro livre. Quanto a “obra”, não sei.
2 – Qual a ideia que esteve na origem deste livro?
R- Em diferentes períodos da minha vida (1995 e 1998), por razões profissionais, estive umas semanas em Maputo. Nesses tempos nasceram ideias para um romance, escrevi alguns pedaços, delineei umas quantas figuras e situações. Em 2010, estive quase dois meses em Moçambique (em especial em Maputo), com uma Bolsa Criar Lusofonia (Centro Nacional de Cultura e DGLB). Desarrumei então ideias e projectos e nasceu, uns seis meses depois, este «Hipopótamos», que dificilmente terá uma síntese. Mas poderá ser assim: «Hipopótamos em Delagoa Bay» é um tratado de cobardia sem mestre. Um ajuste de contas com a traição. Um inventário de escombros. Um elucidário de sonhos. Um jogo de memórias. Um ordálio. Uma expiação. Política. Corpos. Paixão. Linguagem. No século XVIII, em Moçambique, a coroa austríaca instaura uma feitoria em Delagoa Bay – o nome inglês para a baía de Lourenço Marques, ou do Espírito Santo. Um século e meio depois, uma família alentejana, que teve nessa feitoria um antepassado, traficante de marfim, chega a Lourenço Marques, na altura em que Portugal começava a construir um país, outro país. Hermínio Quaresma, o último representante dessa família, chega até aos nossos dias atravessando a revolução portuguesa e a independência moçambicana. Uma peregrinação pessoal que atravessa tempos e lugares, os das revoluções, dos encontros e desencontros amorosos. A fazer e a desfazer estórias e a História. «Hipopótamos em Delagoa Bay» é romance de tudo isto. Sempre atravessado por uma dúvida: «houve aqui alguém que se enganou»?
3 – Pensando no futuro: o que está a escrever neste momento?
R- Além de muita coisa (sobretudo prosa e teatro) terminada e em descanso de “gaveta” (disco rígido do computador) por vontade própria ou por desinteresse dos editores, tenho dois textos teatrais em “banho-maria”, poemas e esboços de contos lançados para cadernos e computador. Dou umas complicadas voltas finais num romance que anda a ser escrito há meia dúzia de anos e a rever outro, mais recente; outro, ainda, a mais de metade, parece-me.
__________
Carlos Alberto Machado: Hipopótamos em Delagoa Bay. abysmo, 2013.
Anúncios

One Trackback to “Hipopótamos em Delagoa Bay – entrevista a Novos Livros”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: