CASAMENTO DE ARROMBA!

por cam
O Cabrita casou-se hoje!
«(…) E segue o discurso que botarei esta noite contra a insistência dos convidados e que, homem prevenido, “improvisei” de véspera. E dirá o noivo:
Maravilhoso povo maputense
gente que veio por bem e gente que veio ao engano, bem hajam.
Desde que montei o meu primeiro triciclo, aos meus dois anos, que não me ocorria dar um passo tão grave.
Conduzir o triciclo por veredas íngremes e rotundas salpicadas de sapatos, sem chocar com o Dick, o coolie que havia lá em casa, constituiu o meu primeiro encontro com o perigo.
Porque fomos feitos para andar sobre duas pernas e não sobre três rodas.
Para andar sobre três pernas existem precisamente os triciclos, de quem nós fomos as damas de companhia.
Mas o nosso natural são as duas, ambas as pernas, com que tropeçamos diariamente no olhar das raparigas matreiras…
Perdão, este era o meu discurso de despedida de solteiro…
Um momento. Enganei-me no bolso. Ah, cá esta…
Recomeço.
Prezados e condignos filhos de Delagoa Bay, aos que vieram por bem e aos que vieram ao engano, bem hajam…
desde a primeira vez em que me recusei montar a cavalo
que não me ocorria dar um passo tão grave,
ocorrendo-me agora que o berreiro que fiz nesse dia no hipódromo
significaria o pânico de não chegar inteiro a este dia
sem lesões centrais e periféricas que esfacelassem a minha capacidade para cumprir os deveres da conjugalidade
e outros de pendor mais abstracto
mas mantenho que a minha vida se decidiu nesse primeiro não
diante de um alazão a quem o tratador tratava por Raimundo,
e esse não só hoje ganhou sentido no rotundo sim que dei esta manhã
num cartório revestido a capulanas e sob o olhar pátrio e benevolente
do presidente deste povo maravilhoso
que lá fora se esmifra e acotela no chapa, ordeiro,
e diria que o sim até ribombou aos tímpanos do conservador que exultou
ao ponto de lhe terem caído as calças ao som da sílaba
facto pelo qual se desculpou com o insólito sumiço do cinto
fanado por um vizinho com manápulas de larápio
e ribomba ainda nos meus tímpanos amaciados pelo sim
ouvido a esta dama antes do deslassar da cintura do escolápio.
A esta dama Teresa de Cordato, e Noronha como minha mãe,
prometi eu no primeiro dia na feira popular do nosso primeiro almoço
prometi eu, dizia, três meninas com quem andarmos na montanha russa, faltando-nos neste momento adquirir apenas
os últimos dez metros de carril para nos mudarmos para Durban
onde montaremos a maior montanha russa da África Austral,
plano que desde hoje e daqui deixa de ser secreto.
Mas mais vos conto ilustres e embevecidos convidados,
que na verdade nunca saímos da Feira Popular
porquanto nas primeiras férias em que nos fatigámos mutuamente foi mamã Teresa tomada por uma labirintite que a manteve deitada quinze dias com vertigens que desenharam naquele leito a cordilheira dos Alpes
o que nos enleou para sempre em cordas e picaretas,
e por isso, agora, só para distinguir um bocadinho só que seja
este nó cego a doer em paixão tisnada
como li em poeta lírico desses que até no buço da amada descortinam os lírios do rio vos confesso que de amor amado já não estranho
desde o sim ao retrovisor que nos atou
e anuncio que, apesar de a partir de hoje
suspeitar que alguém se fará rogado sempre que lhe pedir irrigas-me
o púcaro com martini, une bonne voyage ç’est comme ça,
e mesmo até para os que afinal contra todos os avisos
não trouxeram xaile, anuncio
que considero aberto o baile.»
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: